Blog do UOL Tecnologia

Arquivo : março 2012

Acabou a festa: Google “esconde” doces grátis para funcionários se alimentarem melhor
Comentários Comente

Ana Ikeda

Um dos grandes diferenciais do Google em termos de reter talentos na empresa era colocar à disposição dos seus funcionários guloseimas à vontade – em grande quantidade e de graça. Mas parece que o pessoal do Recursos Humanos resolveu “acabar com a festa”. A busca por doces não vai mais ser “instantânea” (#badjoke).

A medida, no entanto, é cheia de boas intenções: o Google quer encorajar, segundo a “Fast Company”, que seus funcionários comam direitinho e de forma saudável. E sem traumas. Nada parecido com que a sua mãe provavelmente fazia em casa quando você era criança, te deixando um tempão na frente do prato de espinafre até você comer tudinho.

E se você tem criança em casa, aprenda:

O que os olhos não veem…

A tática é deixar os doces, os “neovilões”, escondidos atrás de recipientes opacos de plástico. O comilão dá uma olhada rápida, não vê a iguaria e passa para outros itens, mais saudáveis e visíveis. Só de fazer isso, houve uma queda de 9 calorias ingeridas pelos empregados.

Manhê, eu quero chicória!
Outra tática coloca alimentos verdes (tipo, salada) bem à frente dos outros itens – porque a tendência é que você se sirva do que vê primeiro (quem vai no restaurante por quilo sabem bem disso).

Bem, as demais táticas incluem ações simples, como sinalizar alimentos bons com etiquetas verdes (e ruins com vermelhas), colocar as garrafinhas de água na altura do olhar dentro das geladeiras (e os refrigerantes longe da vista), além de providenciar avisos do tipo “Use pratos pequenos, pratos grandes fazem você engordar” (sem contar que fazer uma torre de comida em um pratinho pega mal, viu).

Com essas mudanças, será que o Google vai continuar atraindo novos talentos? Claro que sim. Afinal o doce em casa (por enquanto) continua liberado :D

Lá da Fast Company.

Foto: Think Stock.


Serviço Shitter cria papel higiênico personalizado com conteúdo do Twitter
Comentários 1

Guilherme Tagiaroli

Nunca foi tão fácil presentear seu amigo que adora usar o Twitter. Um serviço transforma o conteúdo da rede social naquilo que as pessoas que odeiam o Twitter sempre acharam que ele fosse – em breve você descobrirá o motivo.

O fato é que o serviço Shitter – palavra que mistura shit (palavra em inglês que significa excremento) com Twitter – cria papéis higiênicos personalizados com conteúdos postados na rede social.

Para encomendar o papel higiênico, é necessário ter uma conta no Twitter e entrar no site do serviço. A página vai solicitar que você autorize o site a ter acesso a suas informações e de seus amigos.

Na sequência, o usuário poderá solicitar se quer que apenas a sua timeline seja impressa ou se quer também incluir a de um amigo (existe a possibilidade que nossos amigos criem conteúdos mais apropriados para o papel que será impresso, não é?).

No site, só há a possibilidade comprar quatro papéis higiênicos de uma vez. E o preço por eles é US$ 35 – este valor pode dobrar quando é incluída a taxa de frete para o Brasil.

__

Lá do Venture Beat

Imagem: Reprodução

Tags : twitter


Derrube a Adele das paradas de sucesso em uma versão pop do jogo “Angry Birds”
Comentários Comente

Ana Carolina Prado

A cantora Adele foi para as paradas de sucesso e não saiu mais de lá. Com o mundo inteiro só falando nela, como é que ficam as outras divas pop, como Lady Gaga, Britney Spears, Beyoncé, Nicki Minaj e Katy Perry?

O site stan-wars.com permite aos fãs dessas cantoras renegadas fazerem algo. No jogo, você usa um estilingue para derrubar a Adele do seu pedestal – usando como arma não pássaros raivosos, mas a cabeça da sua cantora preferida.

Mas não se engane pelo apelo pop: o jogo é difícil!

 

Imagens: Mario Anzuoni/Reuters; Reprodução


Homem faz US$ 1.000 por dia com spam no Pinterest – e espera dobrar o valor em breve
Comentários Comente

Ana Carolina Prado

  • Reprodução
    Na imagem acima, a aba Popular do Pinterest. Nela, o usuário vê as imagens que receberam mais repins (espécie de retuíte, pois o usuário consegue replicar o arquivo multimídia de outro perfil em seu mural). É graças a esse mecanismo que é possível fazer dinheiro com o site

 

Se você acha que o Pinterest não serve para nada além de compartilhar fotos, álbuns e clichês, é hora de repensar isso. O site Daily Dot publicou uma matéria sobre um homem de 24 anos chamado Steve (que não quis revelar seu sobrenome) que consegue fazer uma grana com spams no site.

Ele contou que desde que começou com isso, no fim de fevereiro, seus ganhos só aumentaram. Começou ganhando US$2.000 (cerca de R$ 3.600) por semana e passou para os US$ 1.000 (cerca de R$ 1.800) por dia. Sua expectativa, agora, é mais do que dobrar esse valor diário.

Essa “mina de ouro” funciona assim: Steve cria milhares de contas falsas no site e usa um script para que elas comecem e republicar (ou “repin”) sempre as mesmas fotos de certos produtos (como um vestido ou par de botas, por exemplo). Eventualmente, aparecem comentários de pessoas dizendo como ficaram felizes em comprá-los.

Como o Pinterest tem um sistema para recompensar as imagens mais populares (as que tenham mais “repins” ou “likes”), elas ganham visibilidade e ainda mais pessoas clicam. O truque está aí: quando clicam nessas imagens, as pessoas vão para um site em que podem comprar os produtos. E as elas realmente os compram – o que gera uma comissão para o spammer.

Segundo Steve, “o Pinterest é de longe a  rede social mais fácil  para se fazer spam agora. Ela não exige quase trabalho nenhum para começar, nem dinheiro para investir. Você apenas tem que saber como funciona o sistema e como pode usá-lo para a sua vantagem.”

Ele garante, porém, que o truque não é por mal: “Eu não me sinto culpado; não estou tentando acessar computadores alheios, espalhar vírus ou qualquer coisa assim. Eu simplesmente mostro produtos para a comunidade do Pinterest”, disse. Apenas negócios.

Mas ele também sabe que a festa pode durar pouco “Não existem garantias neste negócio e tudo pode desabar em breve. Não é uma questão de se, mas de quando isso vai acontecer”, admitiu.

Vamos acompanhar.

Lá do Daily Dot

Imagem: Reprodução

Entenda como funciona o Pinterest

Veja Álbum de fotos

Tags : Pinterest


Ganhadora do prêmio da Apple por baixar app de número 25 bilhões nem sabia da promoção
Comentários Comente

Ana Carolina Prado

Lembra que, no começo do mês de março, rolou uma campanha da App Store que iria premiar com um vale-compras de US$ 10 mil (cerca de R$ 18,2 mil) quem baixasse o aplicativo de número 25 bilhões?

Pois bem. A vencedora foi a chinesa Fu Chunli, que havia baixado o jogo “Where’s my Water” e, aparentemente, nem estava tão aí para a Apple: ela havia comprado seu iPhone havia menos de um mês e nem sabia da promoção.

Tanto é que, quando um representante ligou para a sua casa dizendo que ela podia retirar seu prêmio, Fu Chunli achou que era brincadeira. O mesmo aconteceu com a mulher britânica que levou o prêmio do download de número 10 bilhões no começo do ano passado. Ela disse “Valeu, mas não estou interessada” e desligou o telefone. As duas demoraram a se convencer de que era verdade.

O prêmio vale para compras na iTunes Store, App Store e iBook Store do país do vencedor. Fu Chunli, que mora em Qingdao, foi recebê-lo na loja da Apple em Pequim e passou um tempão lá testando produtos. Sortuda, ela pôde fazer uma bela compra com US$10 mil, ainda mais na China.

 

Lá do Digital Trends

Imagem:  sinaimg.cn

 


CEO da Apple faz visita surpresa à loja na China. Será que ele deu um pulo também na Foxconn?
Comentários Comente

Ana Ikeda

Tim Cook tira foto com mulher que visita Apple Store em Pequim

Steve Jobs, cofundador da Apple, nunca visitou a China, embora grande parte dos produtos da empresa seja feita lá (e consumidores ávidos por comprar novidades em iPads e iPhones morem lá também). Então, uma visita surpresa à Apple Store de Pequim de ninguém mais ninguém menos que Tim Cook, substituto de Jobs no cargo de CEO da empresa, nesta segunda (26), é para lá de curiosa.

Cook esteve mesmo na loja (uma porta-voz da Apple confirmou o fato ao “Wall Street Journal”). Há fotos do CEO passeando em meio a clientes e funcionários vestidos de azulzinho; ele até tirou foto com uma das transeuntes da Apple Store (olha que simpatia aí em cima).

A visita ocorre em hora oportuna: como lembra o site “Apple Insider”, na semana passada a Apple atualizou dados de um relatório sobre condições de trabalho em suas fábricas no país, feito pela Associação do Trabalho Íntegro (FLA, na sigla em inglês). Nele, a Apple afirma que não há menores de idade nas linhas de produção e que a maioria dos seus trabalhadores cumpre jornadas de aproximadamente 48 horas por semana.

Imagem da rede de TV ''ABC'' mostra redes que cercam prédios da Foxconn, colocadas após suicídios de trabalhadores em 2010

Vale lembrar que Cook rebateu veementemente críticas à Apple sobre as más condições em suas linhas de montagem na Ásia, no final de janeiro deste ano. “Qualquer acidente é profundamente preocupante, qualquer problema com as condições de trabalho é motivo de preocupação. Qualquer insinuação de que nós não nos importamos é patentemente falsa e ofensiva”, frisou o CEO da Apple.

Outros sites especulam que a visita pode estar ligada a parcerias com operadoras chinesas. E, por coincidência ou não, a visita do CEO ocorre durante uma greve na fábrica da Foxconn de Taiyuan, na província de Shanxi.

Embora a visita de Cook ao país seja “histórica”, não é ela que vai melhorar as condições de trabalho dos chineses nas fábricas de eletrônicos. Comparados a “animais” recentemente pelo presidente da Foxconn, os funcionários ganharam o terceiro aumento salarial desde 2010 depois das críticas que correram o mundo. Ganham agora US$ 290 (R$ 526) por mês. Por mês, repito. Salário, diz a Foxconn, bem superior que o mínimo fixado por governos locais…

Saiba mais:

Vídeo mostra trabalho em linha de produção da Apple na China

Jovens fazem mais de 10 horas de expediente por dia em fábrica na China

Lá do The Next Web.

Foto: Reprodução/Weibo.com.


Aplicativo no Facebook cria lista de inimigos – sejam eles pessoas, produtos ou empresas
Comentários 1

Ana Ikeda

“Mantenha os amigos perto de você; e os inimigos mais perto ainda.” Para quem acha essa frase “brilhante”, já existe um aplicativo no Facebook que cumpre exatamente esse propósito. O EnemyGraph cria uma lista de desafetos – sejam eles pessoas próximas do seu círculo social, gente famosa… e até mesmo produtos, empresas e instituições.

Depois de montar a sua “lista negra”, o Enemy Graph deixa que você “declare guerra” contra algo ou alguém que deteste. Isso faz com que o desafeto apareça na sua lista pública de inimigos, visível para usuários do aplicativo.

Algo útil, já que o Facebook ainda não lançou o botão “Não Curti”, não é? Mais ou menos. Isso poderia ser perigoso (imagine a quantidade de pessoas preconceituosas e extremistas por aí).

Mas, aparentemente, o aplicativo funciona de forma pacífica. Entre os “inimigos públicos” em alta por lá (como mostra a imagem ao lado) estão o “Racismo” e a Westboro Baptist Church, “igreja” ultrarradical homofóbica. Além deles, tomates, azeitonas e laranjas também figuram na lista. E a série “Crepúsculo”.

O criador do aplicativo, Dean Terry, da Universidade do Texas, disse ao “Mail Online” que o objetivo não é criar desunião, mas sim “conectar e motivar pessoas em torno de coisas que elas não gostem”.

Digamos que a ferramenta tem potencial (e muito) para quem precisa botar a boca no trombone contra produtos, serviços e empresas que desrespeitam os direitos do consumidor — como um “SAC 2.0”.

E você, quem ou o quê colocaria na lista de desafetos?

Leia mais:
Atentas à reputação, empresas adotam redes sociais como o ‘SAC que funciona’

Lá do Mail Online.

Foto: Think Stock/Reprodução.


Mulher se distrai enquanto digitava SMS e cai de costas em lago nos Estados Unidos
Comentários 1

Guilherme Tagiaroli

A americana Bonnie Miller (coitada) caiu em um lago enquanto digitava uma mensagem no celular

A vida não está fácil para ninguém, como costumam dizer alguns usuários desta rede de computadores chamada internet. E sua vida pode ficar mais difícil se você faz algo vergonhoso como, por exemplo, cair em um lago enquanto digitava uma simples mensagem de texto.

Isso aconteceu nos Estados Unidos com Bonnie Miller. Ela estava passeando com a família em um píer próximo ao lago Michigan e começou a digitar uma mensagem em seu celular. Ela escreveu três palavras, virou de costas para o lago para continuar a digitar, deu um passo em falso para trás e tchibum!

Quinn, filho de Bonnie, só ouviu a mãe dizer “Oh, Deus” e em seguida mergulhar no lago para a fama. O marido de Bonnie e pessoas que estavam no píer pularam no lago para socorrê-la. Eles a ajudaram a voltar para a superfície da água. Com a movimentação, a guarda-costeira e os bombeiros foram chamados e tiraram Bonnie da água.

O que chamou a atenção no caso é que ela quis aparecer após tudo o que aconteceu. O próprio repórter da TV americana ABC 57, para introduzir a matéria, comentou algo do tipo: “A situação é humilhante, mas ela quis dar entrevista para alertar outras pessoas.”.

“Eu não podia deixar o orgulho me impedir de alertas as pessoas de não digitar mensagens enquanto dirige ou caminha. Pode ser muito perigoso”, disse ele à reportagem.

Apesar de toda a vergonha, Miller não teve nenhum ferimento com a queda. Talvez só um pouco do ego.

__

Lá da rede de TV americana ABC 57

Imagem: Reprodução


Microsoft brinca com críticas ao Internet Explorer para vender a nova versão do navegador
Comentários Comente

Ana Carolina Prado

Se não pode contra seus inimigos, junte-se a eles. Foi mais ou menos isso que a Microsoft decidiu fazer com os inimigos – ou haters, para sermos mais exatos – do seu navegador Internet Explorer.

A empresa lançou um vídeo engraçadinho que começa com a mensagem: “Você já disse a seus pais que eles tinham que parar de usar o Internet Explorer? Você não está sozinho”. E segue-se uma historinha com um cara contando à sua terapeuta sobre como resolveu seu problema com o IE.

Basicamente, ele o odiava tanto que brigava com todo mundo que o utilizasse, tomando seu computador e deletando o programa de lá. Isso até o dia em que resolveu testar a nova versão e gostou. (Restou o problema da sua relação estranha com seu gato – que ele insiste em dizer que não é um gato, mas uma policial – , mas isso ficou para outra sessão.)

O vídeo faz parte de uma campanha para tentar desarmar os internautas e incentivá-los a testar a versão 9, a mais nova do navegador. Ela conta também com um Tumblr, o “browseryoulovedtohate.com” , que traz gráficos engraçadinhos, sempre com o lema “Retornos vêm em diferentes formatos e tamanhos”. É a ideia de que sempre é possível se reinventar e dar a volta por cima.

“Algumas pessoas estão testando o novo Internet Explorer e, na verdade, gostando – mas elas não vão dizer isso em voz alta. Curioso? É um novo browser”, diz o Tumblr em sua página inicial. O menu horizontal traz novamente a pergunta “Curioso?”, e duas opções de resposta: “Está melhor agora” e “Não”.

Quem clica na primeira opção vai para uma página com críticas de grandes jornais e revistas destacando as suas novas funcionalidades do navegador. Quem clicar na segunda opção vai para uma que reúne comentários de usuários em sites e redes sociais dizendo como o IE9 é bom. Boa saída para usar as críticas de uma forma criativa.

E você, vai testar?


Teste apresenta iPad 2 como novo iPad e usuários a-do-ram a “novidade”
Comentários 4

Juliana Carpanez

Olha só a pegadinha (rá!). Logo após o lançamento do novo iPad, na sexta-feira (16), o site “Gizmodo” entregou o tablet da Apple a diversas pessoas, fazendo um vídeo em que elas avaliaram a novidade. Detalhe: o ultraportátil era o “antigo” iPad 2 e não a versão mais nova.

Questionadas sobre sua opinião, esses não especialistas em tecnologia disseram que o modelo é “muito mais fino”, “muito mais rápido”, “bonito”, “tem resolução fantástica”, “boa distribuição de peso” e outras maravilhas. Duas pessoas não consideraram o tablet mais leve, mas ainda assim teceram elogios ao novo produto da Apple. Que, na verdade, era o velho.

“A Apple não precisa nem mais tentar”, concluiu o “Gizmodo”. Porque independente do que venha por aí, todos vão elogiar os novos (novos?) produtos.

Lá do “Gizmodo”