Blog do UOL Tecnologia

Arquivo : abril 2014

Site mostra selfies publicados no Instagram em tempo real
Comentários Comente

Ana Ikeda

Para quem gosta de ficar analisando os selfies tirados por estranhos (sim, há quem faça isso e o voyeurismo pode render boas risadas), um site torna a tarefa bem mais prática. O Selfeed reúne os autorretratos publicados no Instagram com a hashtag #selfie.

As imagens são mostradas por menos de um segundo. “Nós gostamos desse fluxo constante de selfies e achamos isso incrivelmente hipnótico e fascinante”, disseram à “Time” os artistas Tyler Madsen, Erik Carter e Jillian Mayer, criadores do projeto.

selfeed_2

A beleza do projeto, prosseguem os criadores, é que a maioria dos selfies mostra uma pessoa sozinha. Mas quando vão para o Selfeed, elas viram “um grupo”.


Lá da Time.

Imagem: Reprodução/Selfeed e Reprodução/DailyDot.


Esqueça o selfie: serviço promete ao turista fotos à la ‘Ilha de Caras’
Comentários Comente

Ana Ikeda

Você, viajante, costuma tirar fotos de si mesmo durante as férias de duas formas (em geral): faz selfies – autorretratos — ou pede para uma boa alma ajudá-lo com a câmera enquanto você posa de modelo. Isso já serviria, para grande parte da humanidade, como lembrança da viagem. Mas para aqueles que desejam um ensaio à la “Ilha de Caras”, um serviço promete tirar fotos profissionais das suas férias. Pois é.

A Flytographer oferece um “fotógrafo particular” em 80 cidades ao redor do mundo para que o viajante tenha “fotos em estilo editorial e com toda a família junto” das suas férias.

Por uma sessão de meia hora em um único local, a empresa cobra US$ 250 (R$ 565) para um pacote 15 fotos digitais. Já uma sessão de uma hora em até dois locais, com total de 30 fotos, sai por US$ 350 (R$ 792). A sessão “premium” com duas horas de duração em múltiplas localidades sai por US$ 600 (R$ 1.357!!!) para 60 fotos.

O resultado, segundo fotos divulgadas pelo Flytographer, é esse:

flytographer2flytographer1

A título de comparação, esse é o tipo de foto que a gente encontra no Getty Images (serviço de imagens):

getty2 getyy1

Apesar de o Flytographer propor fotos profissionais, que deixam o viajante com jeitão de “celebridade”, o resultado pode acabar um tanto artificial… de tãooooo “profissional”.

Selfies e fotos pedidas a estranhos nem sempre saem legais, mas ficam mais naturais. A ponto de os seus amigos pensarem, ao olharem as imagens, que você estava mesmo de férias.


Lá do Daily Mail.

Fotos: Divulgação (Flytographer) e Getty Images.


Aplicativo Split avisa quando ex está por perto e indica rota de fuga
Comentários 1

Ana Ikeda

Encontrar o ex por acaso em um restaurante ou no meio da rua não é uma ideia agradável para algumas pessoas. Mas até para evitar essa situação delicada já temos um aplicativo. O Split não apenas diz que o ex-parceiro (a) está por perto como também indica uma rota de fuga.

Gratuito para Android e iOS, o Split funciona conectado ao Facebook, Twitter, Instagram e Foursquare. Ele então usa os dados de check-ins feitos pelo ex-parceiro (a) para avisar da sua proximidade geográfica. Além disso, ele também envia alertas quando o ex confirma que vai a um mesmo evento que você. tec2

Outro recurso mostra as zonas de perigo – locais muito frequentados pelo desafeto, ou seja, onde há grande probabilidade de encontrá-lo. Por último, o aplicativo “dedura” se o ex está acompanhado de outra pessoa.

O criador do Slipt, Udi Dagan, explicou ao “Daily Mail” que teve a ideia de criar o aplicativo há cerca de um ano quando ele encontrou sem querer uma ex-namorada em um bar. “Depois de alguns minutos desconfortáveis, eu apressei meus amigos para sairmos dali e ir a outro pub do lado oposto da rua. E lá eu esbarrei –literalmente – em outra ex. Não foi uma noite legal”, conta.

Para quem acha mais “traumático” encontrar com o ex em outro local — as redes sociais — acompanhe abaixo dicas para apagá-lo (a) da vida digital.

Lá do Daily Mail.

Imagem: Divulgação.


Aplicativos de stickers para WhatsApp: expectativa vs. realidade
Comentários 1

Ana Ikeda

Um rápido passeio pela seção de aplicativos mais baixados na App Store foi o suficiente para chamar minha atenção para os que prometem “stickers para WhatsApp”. As figurinhas (parecidas com as que usamos no Facebook) devem estar na moda e até que são bonitinhas, pensei. Foi então que começou um exercício rápido de “expectativa vs. realidade”.

stickersdobem

Talvez você esteja pensando: “Mas se já temos emojis e aquela renca de fotos e memes dos grupos do WhatsApp, por que raios vou precisar também de stickers?” Pois é, não precisa. Porém, como as imagens são fofinhas, digamos que há uma probabilidade grande de que aí, do outro lado da tela, exista alguém querendo baixar um aplicativo de stickers. Sim, é o “efeito cuti cuti” em ação.

Seja para iOS, Android ou Windows Phone, são várias as opções de aplicativos gratuitos de stickers disponíveis. Basicamente, eles funcionam de duas formas. Na primeira, um toque longo na imagem da figurinha abre a opção de mandá-la para o Whats App. Na segunda, você salva a imagem no rolo da câmera ou a copia para depois colar no chat e enviar.

Baixei três no iPhone para testar. O primeiro tinha potencial (era do tipo que envia a imagem direto para o WhatsApp), mas a cada toque na tela, praticamente, pulava nela uma publicidade de outros aplicativos. Irritante e pouco prático. Sem contar que nem todas as figurinhas eram liberadas – você tem que compartilhar um post recomendando o app no Facebook para poder usar “288” imagens a mais.

O segundo tinha uma biblioteca considerável (e liberada) de figurinhas com smile, porquinho, gatinho e ursinho (“efeito cuti cuti” disparou aqui). Porém, ele era do tipo “copie e cole”, menos prático.

O terceiro tinha uma quantidade ainda maior e tão fofo quanto de figurinhas que o segundo. E permitia compartilhar as imagens com um atalho direto para o WhatsApp.

Seria esse, então, o aplicativo “vencedor” e recomendável? Que nada!

stickersdomal

O resultado prometido – figurinhas pequenas no chat – não foi cumprido. Nos três apps testados, as figurinhas aparecem gigantes depois de inseridas na conversa. Nada prático, porque isso obriga a pessoa a ficar rolando a tela para ler os textos da conversa. A pessoa para quem eu mandei (usuária de Android) também visualizou as imagens grandes.

No meu caso, não houve prejuízo – os apps testados eram gratuitos. Mas há opções pagas também. Se você quer muito (muito mesmo) baixar um deles, no mínimo, teste a versão grátis antes. E, sinceramente, os emojis e as fotos que circulam em grupos continuam sendo a opção mais prática para dar graça ao WhatsApp.


Imagem: Reprodução e Montagem.


Perfil de bisavó no Instagram que luta contra câncer faz sucesso na rede
Comentários 5

Ana Ikeda

Zach Belden, 18, morador de Jeffersonville, em Illinois  (Estados Unidos), decidiu criar uma conta no Instagram logo que soube que sua bisavó, Betty Simpson, 80, havia sido diagnosticada com câncer. O objetivo dele era que Betty pudesse “celebrar a vida” enquanto faz o tratamento contra a doença.

O que ele não esperava era que o perfil “vovó Betty” (http://instagram.com/grandmabetty33) ganhasse tantos seguidores. Em 14 de março, quando o “ABC News” fez uma reportagem sobre o caso, ela tinha cerca de 20 mil seguidores. Até a publicação deste post, três dias depois, eles já eram mais de 145 mil.

O perfil de Betty é simples… bem parecido com o seu (e o meu) perfil no Instagram: ela aparece com seu cachorro, em fotos com a família (tem até selfies com o bisneto) e no salão de beleza. Em uma foto, ela mostra a língua azul de doce colorido “à la Miley Cyrus”, diz a legenda.

bettyeua

Ao “ABC News”, Betty contou que esteve muito doente há seis meses e quase não resistiu. Desde então, Zach passou a ficar mais tempo ao seu lado, documentando a vida da bisavó em fotos e vídeos. “Ele me ama muito, então faz isso. Ele não quer me perder e é bom comigo”, disse.

Quando ainda tinha “apenas” 20 mil seguidores, o neto de Betty publicou um vídeo perguntando o que ela achava do feito. “Eu mal posso acreditar. E quero agradecer a todos eles”, disse a bisavó, que logo após aparece dançando “Celebrate Good Times”, da banda Kool And The Gang.

Lá do Mashable.

Foto: Reprodução/Instagram/@grandmabetty33


Com cães fofos, americano quer bater recorde de selfie do Oscar no Twitter
Comentários Comente

Ana Ikeda

O norte-americano Terry Shipman, 66, morador de Beaumont, Texas, se propôs a uma missão praticamente impossível: quer bater o recorde de retuítes da foto “selfie” tirada por atores durante a cerimônia do Oscar no último domingo (2). Contra o feito, pesa o fato de Shipman ser apenas um ilustre desconhecido. A seu favor, o desafiante conta com a ajuda de dois (fofos!) cachorros com quem tirou o autorretrato.

Até a publicação deste post, a mensagem no Twitter com o selfie do Oscar, postado pela apresentadora Ellen DeGeneres, contava com 3,3 milhões de retuítes. Já o selfie de Shipman tinha “apenas” 144 mil retuítes (o que não deixa de ser uma marca memorável para uma não celebridade hollywoodiana).

O site “Business Insider” entrevistou Laura Shipman, 21, filha do desafiante. A jovem afirma que o pai “sempre publica” autorretratos que tira com os cães da família no Facebook e que ele “nem é um usuário tão ativo no Twitter”.

O sucesso do post de Shipman, segundo ela, ocorreu após ela e o irmão retuitarem o selfie, que então foi retuitado por amigos deles e foi se tornando um “viral”. “E as pessoas gostam de velhinhos e cachorros fofos”, disse a filha coruja.

Laura contou ainda ao site que o pai se sentiu “muito ofendido” quando pessoas disseram que o desafio era uma farsa. “Eu juro, o Jimmy Kimmel [comediante norte-americano] não tem nada a ver com isso.”

Lá do Business Insider.


Estudo: metade dos americanos termina namoro por SMS, e-mail ou rede social
Comentários Comente

Ana Ikeda

choraSMS

Paradoxalmente, a mesma pesquisa mostrou que três em cada quatro entrevistados ficariam aborrecidos se alguém terminasse o namoro com eles digitalmente

Você pode achar terrivelmente mal-educado terminar um relacionamento por meios tecnológicos, mas a prática é cada vez mais comum, segundo um estudo feito nos Estados Unidos. Ele afirma que cerca de 56% das pessoas entrevistadas acabou um relacionamento amoroso no último ano via mensagens de texto de celular, e-mail ou por redes sociais.

A pesquisa foi feita com 2.712 pessoas entre 18 e 30 anos pela Vouchercloud.net, empresa de cupons de desconto online. O objetivo da pesquisa era saber qual o papel da tecnologia na vida das pessoas. Pelo jeito, ele tem sido cada vez maior, a ponto de mediar um processo tão delicado entre casais.

A maioria das pessoas entrevistadas (duas em cada três) disse ter terminado o relacionamento. Das que fizeram isso via SMS, mais da metade (55%) disse que o ato tornou o processo de término “menos estranho” (ah, vá!).

Já para as que deram um basta ao namoro via redes sociais, a maioria (61%) alegou ter feito isso porque deletou ou bloqueou o número de celular do parceiro. Teoricamente, não tinham outro meio de contato (muito teoricamente… amigos em comum solucionariam o problema informando o tal número, não?).

No caso de quem terminou via e-mail, o motivo alegado pela maioria dos entrevistados (58%) foi poder explicar em texto “todas as razões” que levaram ao rompimento. Okay, agora fez sentido (só que não… escreve “tudo”, mas não consegue dizer o mesmo cara a cara com ele ou ela).

Paradoxalmente, a mesma pesquisa mostrou que três em cada quatro entrevistados ficariam aborrecidos se alguém terminasse o namoro com eles digitalmente.

Quando perguntados sobre o porquê da chateação, eles disseram que isso seria “muito impessoal”. A máxima do “não faça com os outros aquilo que não gostaria que fizessem com você” passou TO-TAL-MEN-TE em branco.

A Vouchercloud.net não divulgou a margem de erro do estudo.

Lá do Daily Mail.

Imagem: Getty Images.


Mulher diz ter recebido 14 mil notificações de desconhecida no Facebook
Comentários 1

Ana Ikeda

safe_image

Para algumas pessoas, receber notificações no Facebook é algo prazeroso (sim, você gosta de receber curtidas de post e recadinhos no chat). Mas isso é muito (muito, muito) chato via e-mail. Imagine então não poder desativar esses avisos… e ainda por cima receber mais de 14  mil notificações. Foi o que aconteceu com a norte-americana Kristal McKenzie, 33.  Como? Vem que eu explico.

Kristal saiu do Facebook há alguns anos, quando ficou grávida. “Estava preocupada com questões de privacidade e, com um bebê vindo, queria me dedicar às pessoas da vida real.” Portanto, foi com muita estranheza que leu uma mensagem recebida no seu e-mail  – e em espanhol – dando das boas-vindas por ela ter retornado à rede.

original-email-from-Facebook

O e-mail era destinado a uma mulher chamada “Katya”, uma total desconhecida, diz Kristal. E Katya conseguiu criar uma conta no Facebook usando o e-mail de Kristal aparentemente por engano (um engano, inclusive, que até hoje Katya não percebeu).

Em nove meses, Kristal diz ter recebido mais de 14 mil notificações do Facebook no seu e-mail. Ou seja, toda vez que Katya deixava vaquinhas morrerem no “Farmville”, era cutucada ou recebia um convite de amizade, um e-mail ia direto para a caixa de Kristal. O mais “aterrorizante”, se espantou Kristal, é que ela recebia também cópias das mensagens privadas da desconhecida.

Agora, mais uma novela 

Descontente com a situação, a norte-americana tentou várias ações para desvincular sua conta de e-mail à conta de Facebook de Katya. “Todas os e-mails têm opção de descadastramento, mas como o Facebook não sabe que eu não sou dona da conta, não me deixa completar a ação”, diz. Ela até tentou criar um perfil no Facebook com o mesmo e-mail, mas não deu certo… ela passou a receber notificações via e-mail de ambas as contas.

Kristal diz ter entrado em contato com o Facebook e com o departamento de comunicação da empresa, mas não obteve retorno. Também tentou a Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos e organizações não governamentais de proteção à privacidade. E nada.

Com ajuda de amigos, ela diz ter tentado contatar Katya sobre o problema. Mas a jovem tem “perfil fechado” no Facebook e não recebe mensagens privadas de desconhecidos. Tentaram até enviar mensagens aos amigos de Katya. Nada disso ajudou também.

Foi então que, ao contar sua história para a “Forbes”, a repórter do site da revista entrou em contato com o Facebook explicando o caso. A equipe de segurança (finalmente) desvinculou o e-mail de Kristal do perfil da estranha.

“A circunstância foi extremamente rara. Vimos que o link no fim dos e-mails para que as pessoas comuniquem que as mensagens não são para elas não estava funcionando corretamente”, disse um porta-voz do Facebook.

Segundo a rede social, com o e-mail digitado errado ainda precisaria de uma segunda confirmação (enviada para o tal endereço). Mas a usuária Katya conseguiu confirmar a inscrição na rede social usando um código enviado por celular.

E assim termina a novela. Pelo menos, com final feliz para Kristal.

Lá do Daily Dot via Forbes.

Imagens: Reprodução/Daily Dot  e Reprodução/Forbes.