Blog do UOL Tecnologia

Professora de yoga é demitida do Facebook após proibir uso de smartphones

Juliana Carpanez

Resumindo, a história é a seguinte: a professora de yoga Alice Van Ness (foto), 35, pedia sempre que todos desligassem o celular antes de suas aulas. Mas uma aluna não obedecia e também não desgrudava do aparelho. Até que um dia a professora mandou um olhar desaprovador e, duas semanas depois, foi demitida. Tudo isso na sede do Facebook, em Menlo Park, Califórnia.

Agora atenção às palavras da (sábia) professora, que possivelmente podem ser aplicadas a sua vida – presumindo, com grandes chances de acerto, que você também use (loucamente) um telefone celular.

“Isso aqui é só o Facebook. Não estamos falando sobre o governo dos Estados Unidos. Não estamos falando da Rússia, que estaria prestes a nos bombardear. Estamos falando do Facebook. Não dá para esperar meia hora?”, questionou Alice. “Seu e-mail é mais importante que o entendimento do seu corpo? É mais importante que dedicar algum tempo a você mesmo? É mais importante que todos os outros aqui?”, continuou, segundo o “San Francisco Chronicle”.

Se você é daqueles que pula na tela cada vez que o celular apita, talvez valha uma reflexão – e para isso nem é preciso fazer poses de yoga.

Alice deu aulas semanais no Facebook de março a junho – até a aluna reclamar do olhar que recebeu–, prestando serviço para uma empresa chamada Plus One Health Management. Em seu aviso de demissão, a companhia escreveu: “a não ser que um cliente solicite especificamente a proibição de algo, devemos dizer ‘sim’ sempre que possível”. O aviso também deu a entender que Alice tinha um comportamento muito rígido: ela já havia proibido um funcionário da Cisco de tirar fotos durante as aulas.

“A cultura dessas empresas é de sempre deixar os funcionários fazerem o que querem. Eu não gosto de anarquia”, afirmou Alice. Acostumada a dar aulas em empresas de tecnologia, ela afirma que é comum seus alunos chegarem atrasados, saírem mais cedo e ficarem inquietos durante as aulas.

Lá do “San Francisco Chronicle”
Foto: “San Francisco Chronicle”