Blog do UOL Tecnologia

Arquivo : fotografia

Meu passado fotográfico culinário me condena (ou o que não fazer ao tirar fotos de comida)
Comentários Comente

Ana Ikeda

Gabi Butcher é uma especialista em fotos de alimentos. Ela, que já tirou muitas fotos para revistas e campanhas publicitárias, esteve na Campus Party 2013 falando sobre dicas para quem quer se aventurar nessa arte. Enquanto a especialista expunha os “pecados mortais” ao tirarmos fotos de comida, fiz um exame de consciência e admito aqui diante dos leitores do Gigablog: meu passado fotográfico culinário me condena.

Ao menos dois “pecados” citados por Gabi eu já cometi. O primeiro deles é usar flash nas fotos. A especialista diz que na grande maioria dos casos (e principalmente em fotos tiradas com celular ou câmera compacta) a luz intensa e artificial faz os pratos ficarem sem sombra e, consequentemente, sem profundidade. O flash também retira a textura dos alimentos (elemento importante para deixá-los apetitosos).

A prova do meu crime (à esq.) e um exemplo ‘correto’ (à dir.):

A dica da fotógrafa é: use sempre que possível luz natural (fotos tiradas durante o dia, com a iluminação que entra de uma janela, são as melhores). Outra possibilidade é usar “luz quente” (aquela mais amarela, gerada por lâmpadas incandescentes). “Pode levar o abajur do seu quarto para a cozinha. É melhor do que usar luz branca artificial, que deixa as fotos meio verdes”, diz.

Outro pecado segundo Gabi é tirar fotos de pratos que você já atacou. “Você até pode tirar fotos do prato se começou a comer, desde que não mostre que já começou a comer…”, brinca a fotógrafa. O melhor é buscar um ângulo que mostre a sobremesa ainda inteira (por exemplo).

A prova do meu crime (à esq.) e um exemplo ‘correto’ (à dir.):

Outro “crime” comum para quem tira fotos de comida é aplicar filtros – principalmente no caso de quem usa celular – que alteram a textura da comida. Como dissemos lá em cima, alterar a textura do alimento é tirar o que há de apetitoso nele.

Esse crime eu (ainda) não cometi. Bem, não conscientemente… hehe. Mas nessa galeria sobre aplicativos para efeitos em fotos tem um exemplo bom do pecado.

O crime ‘de mentira’ (à esq) e a foto original (à dir.):

Abaixo, um resumo das dicas da Gabi para quem quer se aventurar na arte da fotografia culinária.

Conheça seu equipamento: Seja celular ou câmera profissional, saiba quais são os recursos que você pode usar para deixar suas fotos mais legais. Vale ler o manual da câmera, fuçar no smartphone, alterar configurações e testá-las. “É preciso conhecer os limites do seu aparelho”, diz a fotógrafa.

Capriche no ângulo: A foto mais comum é a tirada do ponto de vista de quem vai degustar o prato (ângulo do comensal). Mas você pode tentar outras posições, como fotos em 90º com a visão de cima do prato ou “na linha do horizonte” do prato.

Cuidado com a composição: Centralizar o prato nem sempre é a melhor solução para uma boa foto. Tente usar a regra dos terços e posicionar o prato nos pontos onde as linhas da grade se encontram.

Capriche na produção: Na hora da foto, outros elementos além do prato são importantes para compor uma foto mais legal. Valem talheres, taças, guardanapos, entre outros itens. A cor dos objetos também é importante. Um prato de cor forte com um alimento de cor neutra, por exemplo, pode ajudar a destacar a comida.

Aproveite a iluminação: Evite sempre que possível usar o flash, principalmente em fotos com o celular ou câmera compacta. Aproveite sempre que possível luz natural ou “quente” (amarela).

Tratamento: Na hora de ajustar nitidez, contraste e saturação da foto com aplicativos (como Photoshop) cuidado para não alterar as características do alimento. Cor e textura devem ser mantidos o mais próximo possível do alimento “natural”.

Aplicativos móveis: Quem usa celular também pode fazer pequenos ajustes “de Photoshop” nas imagens. Dois dos usados por Gabi são: o Snapseed (para iOS e Android) e o Snapster (para iOS), ambos gratuitos.


Lá da Campus Party 2013.

Fotos: @anaikeda (Instagram)


Flickr chega à foto de número 5 bilhões
Comentários Comente

Priscilla Rebelo


Uma colagem de fotos com a fachada do prédio Woodward, em Vancouver (Canadá), rendeu ao Aaron Yeon o título de “foto número 5 bilhões” no Flickr

Seis anos depois de seu lançamento (em fevereiro de 2004), o Flickr chega à marca de 5 bilhões de fotos publicadas pelos usuários. A foto que registrou esse “recorde” pessoal é do fotógrafo Aaron Yeon, que se define como um “homem de mídias” e agora acumula dezenas de comentários de outros usuários comemorando o feito.

A foto, publicada neste domingo (19), é uma montagem com a fachada do prédio Woodward, em Vancouver (Canadá), ou pelo menos o que restou do complexo construído em 1903. Se você gosta de conspirações, pode analisar a repetição do “W” na torre e relacionar isso com a web (www) e a marca atingida no Flickr.

Segundo o Flickr, a média de publicação de fotos no site é de 3 mil imagens por minuto. No geral, porém, o site de compartilhamento de fotos ainda fica atrás do Facebook. A rede de Mark Zuckerberg, segundo o Mashable, chegou a 15 bilhões de fotos publicadas já em 2009, com uma média de 220 milhões de fotos por semana. Mas, nesse caso, quantidade não é qualidade, como você bem sabe.

OBS: A foto de número 100 é a centésima, a de número 1.000 é a milésima. E a de número 5 bilhões? É a cinco bilionésima foto, se você quer saber.

______

Flickr: Foto de número 5 bilhões.
Lá do Blog do Flickr.
Foto: Aaron Yeon.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>