Blog do UOL Tecnologia

Operadora chinesa oferece alargamento de bolso para compradores do iPhone 6
Comentários Comente

Guilherme Tagiaroli

iphone6plus

China Unicom disponibiliza alargamento de bolso para compradores de iPhone 6

A Apple começou a vender os novos iPhones 6 na última sexta-feira (17) na China. Diferente de outros anos, não houve confusão dessa vez. No entanto, um fato chamou a atenção durante a venda dos aparelhos. Compradores do iPhone 6 Plus na operadora China Unicom tinham direito a um brinde: um serviço de ajuste de bolso para que o telefone possa caber na calça.

O smartphone da Apple tem uma tela de 5,5 polegadas e , segundo alguns usuários, ele pode envergar se for pressionado por muito tempo no bolso de uma calça. Oficialmente, a companhia disse que poucas pessoas (precisamente, nove) reclamaram desse problema.

O jornal “People's Daily, China'', que postou a imagem no Twitter, não dá detalhes sobre o programa. A única informação é que cada comprador só terá direito a arrumar uma calça.

Pela foto, a única coisa que dá para concluir é que não parece que há grande adesão. Tanto é que tem uma repórter no estande aguardando para entrevistar algum comprador que vai alargar os bolsos.

__

Lá do Business Insider e do BGR

Imagem: Reprodução/Twitter/People's Daily China


Nomes de Wi-Fi estão sendo usados para ofender ou dar indiretas a vizinhos
Comentários 31

Guilherme Tagiaroli

É sério: a trollagem chegou às redes Wi-Fi e você pode estar sendo vítima e nem reparou ainda

É inegável que as tecnologias reduziram o contato entre pessoas. Em bairros, já não é tão comum que os vizinhos conversem uns com os outros, sobretudo em áreas urbanas. No entanto, alguns moradores têm usado um artifício pouco comum para mandar aquele papo reto para seus vizinhos: dando indiretas ou ofendendo mesmo (em alguns casos) pelo nome da rede Wi-Fi.

Usar nomes criativos em redes sem fio não é uma novidade. Agora, reclamar de problemas pelo nome do Wi-Fi eleva a trollagem a um novo patamar.

O tabloide britânico “Daily Mail'' reuniu algumas capturas de tela (todas em inglês) com nomes de redes Wi-Fi que mostram o (baixo) nível que algumas pessoas chegaram para ofender o vizinho:

+ Eu ouço vocês fazendo sexo

Na imagem abaixo, há duas redes “ofensivas'': We_hear_you_having_sex apt_12 (nós ouvimos vocês transando do apartamento 12) e We can be adults about this (nós podemos agir como adultos sobre isso).

wifivizinho1

 

+ Ativismo carnívoro e vegetariano

Na imagem abaixo, há duas redes “ofensivas'': Meat is delicious!!! (carne é uma delícia!!!) e Meat is murder (carne é assassinato).

wifivizinho2

 

+ Não mexa no meu jornal

Na imagem abaixo, há duas redes “ofensivas'': Quit stealing my paper (pare de roubar meu jornal) e FYI, I Dont Read It I just Throw It AWay (Para sua informação, eu não leio, eu só jogo fora).

wifivizinho3

 

+ Afe, nem sabe escrever

Na imagem abaixo, há duas redes “ofensivas'': you're music is annoying (era para ser “sua música é irritante'', mas há um problema gramatical em inglês) e your grammar is more annoying (sua gramática é mais irritante).wifivizinho4


__

Lá do “Daily Mail“, inclusive as imagens


Mulher de 114 anos precisou mentir idade para fazer conta no Facebook
Comentários 1

Guilherme Tagiaroli

AnnaStoeher

Anna Stoeher, 114, precisou “mentir'' a idade para fazer cadastro de conta no Facebook

Foi-se o tempo em que era necessário mentir a idade para entrar nas redes sociais. A maioria delas flexibilizou bastante a entrada de novos membros (inclusive de menores de idade). No entanto, uma norte-americana precisou “enganar'' o Facebook para criar um cadastro no site.

Anna Stoeher, que é considerada a pessoa mais velha do Estado de Minnesota, nasceu em 1.900 e tem 114 anos de idade. O problema é que a data máxima permitida na área de cadastro da rede é 1.905. Aí não sobrou alternativa: Anna está cinco anos mais jovem na rede social.

Anna vive em um asilo e sua inclusão digital ocorreu com a ajuda de Joseph Ramireza, vendedor de uma operadora de telefonia norte-americana. Ramireza já ensinou Anna a usar o Facetime (serviço de videoconferência da Apple), o Google e o Facebook  para manter contato com seus filhos e amigos.

O contato entre os dois, segundo a reportagem, ocorreu quando um dos filhos de Anna, que tem 85 anos, foi comprar um iPhone. Ao comentar sobre sua mãe ao representante da operadora, ele se interessou e passou a ajudá-la.

Após a frustração de não conseguir colocar sua idade correta, Anna pediu a Ramireza que a ajudasse a escrever uma carta para a rede em uma máquina de escrever. No entanto, não houve retorno.

O caso de Anna não é isolado. Em 2012, a também norte-americana Florence Detlor, na época com 101 anos, foi reconhecida como a usuária ativa mais velha no Facebook. Florence foi até convidada para conhecer Mark Zuckerberg, diretor-executivo e cofundador da rede social.

__

Lá do Huffington Post

Imagem: Reprodução/YouTube


Primeiro comprador de iPhone na Austrália derruba gadget durante entrevista
Comentários 14

Guilherme Tagiaroli


O jovem australiano Jack Cooksey foi o primeiro comprador do iPhone na cidade de Perth (Austrália). Como sempre ocorre, o autor do feito, que geralmente passa a noite toda em frente a uma loja da Apple, foi ciceroneado pela mídia local.

Um telejornal local entrevistou Cooksey logo após deixar a loja com seu novo iPhone 6. No entanto, ele estava tão nervoso durante a situação que, ao tentar abrir a caixa do seu novo smartphone, o aparelho caiu com a tela virada para baixo. A repórter que o entrevistava ficou em pânico. O público que estava na fila gritou de dó.

Para a sorte do australiano, o smartphone tinha uma espécie de camada que protegeu a tela. Já pensou como seria chato se o aparelho fosse danificado?

australiano

Após incidente, Jack Cooksey mostra que seu iPhone 6 está intacto

Os novos iPhones começaram a ser vendidos nesta sexta-feira (19) nos Estados Unidos, Austrália, Canadá, França, Alemanha, Hong Kong, Japão, Porto Rico, Cingapura e Reino Unido. Durante a pré-venda, a Apple disse que vendeu mais de 4 milhões de aparelhos iPhone 6 e iPhone 6 Plus.


__

Lá do site australiano “Perth Now''


Sombrero pink ajuda a tirar selfies (ou apenas parem com essa modinha)
Comentários 1

Ana Ikeda

Podia ser mais uma daquelas pegadinhas internéticas, mas depois que vimos as fotos publicadas no perfil da Acer do Reino Unido no Facebook, chegamos à triste conclusão: eis que o mundo ganhou um sombrero pink “ideal” para tirar selfies.

Segundo o post no Facebook, a fabricante taiwanesa ajudou o designer fashion Christian Cowan-Sanluis a criar o “primeiro chapéu selfie” em comemoração à Semana de Moda de Londres.

Descrição da maravilha contemporânea: “Com estilo de sombrero, o chapéu gira 360º e vem com um tablet Acer Iconia A1-840 que permite a quem luta para tirar selfies encontrar o melhor ângulo da foto”.

No site de Cowan-Sanluis, há ainda a informação de que o “Selfie Hat” vem acompanhado de “capas em edição limitada” com minichapéus destacáveis. Agora sim fomos convencidos a usar o sombrero pink brilhante.

O designer fashion Christian Cowan-Sanluis posa segurando a capa 'em edição limitada' que acompanha o sombrero

Humanidade, apenas pare com essa modinha, por favor. Acer, diga que é pegadinha, por favor.

Selfies perigosos

Veja Álbum de fotos

Lá do The Verge.

Foto: Divulgação/Acer/Christian Cowan-Sanluis.


Cientistas britânicos dão dicas para tirar ‘selfie perfeito’ com smartphone
Comentários 13

Ana Ikeda

Tirar “selfies” pode estar na moda, mas a habilidade dos egocêntricos em fazer o autorretrato com o smartphone nem sempre é a melhor de todas. Mas seus problemas acabaram: eis que surge um estudo científico (sério) com dicas (sério mesmo) para você tirar “o selfie perfeito”.

Selfie registrado na cerimônia do Oscar está longe de ser perfeito

Selfie registrado na cerimônia do Oscar está longe de ser perfeito

Dois pesquisadores da Universidade de Surrey, no Reino Unido, compartilharam suas “descobertas” sobre os selfies perfeitos no Festival Britânico de Ciência no último final de semana.

Andrew Pye e Rady Sporea, ambos doutores em fotografia, deram duas dicas primordiais para quem tira um selfie com smartphone:

1 – Fique perto da câmera do smartphone

2 – Tenha uma fonte de luz à sua frente, nunca atrás de você

Ok, se você entende de fotografia, esse é o momento para fazer piadas, xingar muito a tal pesquisa, vir com o discurso do “isso é óbvio” e mostrar à sociedade seu alto grau de evolução.

Em consideração ao restante da  humanidade (humilde) que não manja (muito, quase nada ou nada) de fotografia, Pye e Sporea explicam que a câmera digital costuma distorcer a perspectiva de um objeto quando ele está muito próximo (se você for tirar um ‘selfie’ com ela, aproveite para usar um bastão extensor). Isso já não ocorre com os smartphones, que possuem lentes e sensores “menores”, capazes de manter uma perspectiva melhor caso o objeto esteja próximo a eles.

_77410796_lighting

Exemplo de foto profissional que usa luz difusa (dir.)

Quanto à iluminação, a dica de manter a luz sempre à sua frente (seja com câmera digital ou smartphone) permite que a câmera identifique melhor seu rosto e garante que o foco automático funcione. Porém, os cientistas dizem que é preciso tomar cuidado com o contraste excessivo entre as áreas iluminadas (no caso, você) e as escuras (o cenário atrás de você).

Para evitar esse problema, você pode usar mais de uma fonte de luz (mais lâmpadas, por exemplo) ou espalhar a luz existente (como posicionar um guarda-chuva na frente da lâmpada/fonte de luz, difundindo a luz, como com o equipamento profissional fotográfico). Pye e Sporea também dizem para evitar selfies ao meio-dia, com o sol a pino, ou sob conjunto de lâmpadas alinhadas.

Se precisar de mais inspiração nos selfies, espie abaixo a criatividade alheia.

Lá da BBC e Daily Mail.

Imagem: Reprodução.


Site com abraços grátis promete ser o lugar mais legal da internet
Comentários 4

Juliana Carpanez

Vale até abraço virtual com unicórnio de pelúcia

Vale até abraço virtual com unicórnio de pelúcia

O que você faz depois que pega trânsito, enfrenta fila, bate boca no telefone ou derruba café na blusa? Vai xingar muito no Twitter, claro. Ou no Facebook e Instagram, caso sua pequena tragédia pessoal seja digna de uma foto. Para alegria de seus amigos e contatos virtuais, isso tudo pode mudar quando você conhecer o site “The Nicest Place on the Internet” (o lugar mais legal da internet).

Toda trabalhada na fofura, a página quer distribuir amor. Tropeçou, caiu, machucou? Esqueça o mimimi das redes sociais e vá direto para o “nicest place”, onde outros usuários estão lá com a única e exclusiva missão de lhe dar abraços virtuais.

O conteúdo é todo baseado em vídeos curtos do YouTube, e a navegação é simples: próximo vídeo, anterior, controle de volume e tipo de exibição (randômica ou sequencial). Se quiser contribuir, você também grava sua manifestação de carinho e envia o conteúdo para o site, que fica com a função de espalhar amor.


“Taca-le pau” vira jogo gratuito para smartphones Android
Comentários 9

Guilherme Tagiaroli

Imagem do jogo "Taca-le Pau Marcos", disponível gratuitamente no Google Play

Imagem do jogo “Taca-le Pau Marcos'', disponível gratuitamente no Google Play

O vídeo “taca-le pau” não se restringiu apenas ao sucesso na internet. Desde a manhã desta terça-feira (1º) está disponível gratuitamente no Google Play (loja de aplicativos do sistema Android) um jogo que usa os personagens do vídeo. Chamado Taca-le Pau Marcos, o game foi desenvolvido pela Estúdio Arones.

No jogo, como no vídeo viral, Marcos desce o morro da avó Salvelina em um carrinho e deve desviar de pedras do caminho. Durante a jornada, ele vai recebendo incentivos de Leandro, seu primo, quando passa por locais que aumentam a velocidade do carrinho: “Taca-le pau, Marcos. Taca-le pau nesse carrinho”. Os controles são feitos por meio de toques na tela do aparelho.

Quanto mais tempo a pessoa conseguir passar pelos obstáculos, mais pontos vai acumulando.

O jogador pode bater até três vezes nas pedras. Ao acabar as vidas, ouve-se um sonoro “Mazá Marco veio”.

O viral do “Taca-le pau” ficou famoso durante o fim do mês de junho. Nele, Leandro Beninca, 9, filmou seu primo Marcos Martinelli,12, descendo um morro no sítio da avó Salvelina, no interior de Santa Catarina. O engraçado do vídeo é o sotaque carregado de Leandro, que incentiva seu primo dizendo: “Taca-le pau nesse carrinho, Marcos. Taca-le pau, Marcos”.

A gravação foi postada no YouTube no início de janeiro deste ano e o vídeo dos primos já está com mais de 900 mil visualizações na plataforma do Google.

__

Lá do Google Play

Imagem: Reprodução.

Tags : taca-le pau


Tecnologia em automóveis cria a pergunta: seu carro é Apple ou Android?
Comentários 4

Juliana Carpanez

O motorista que passou a vida respondendo à pergunta “álcool ou gasolina?” vai se deparar, nos próximos anos, com um novo questionamento: Apple ou Android? Isso porque os sistemas operacionais CarPlay (Apple) e Android Auto (Google) devem chegar em breve ao mercado automotivo, com a promessa de facilitar a vida e aumentar a segurança do motorista conectado.

carro1

Sistema Android Auto, do Google. Assim como o CarPlay, é preciso conectar smartphone compatível para visualizar dados na tela do painel

Mas, como já acontece no universo tecnológico, é preciso fazer uma escolha. Se o seu próximo carro tiver a plataforma Android, você provavelmente não conseguirá acessar, quando estiver atrás do volante, o conteúdo da loja de músicas iTunes (Apple). Se a escolha for pelo CarPlay, compatível com o iPhone, o conteúdo do smartphone Android é que ficará prejudicado.

As duas plataformas – ainda não disponíveis no mercado – prometem basicamente o mesmo. O automóvel sairá de fábrica já com o sistema operacional e uma tela sensível ao toque instalada no painel. O motorista conectará seu smartphone ao carro, e as informações serão exibidas no display – assim, o automóvel “conversará” com os gadgets e acessará informações da nuvem.

Na prática, com poucos cliques ou comandos de voz, o usuário verá na tela do painel mapas e instruções de navegação. Poderá também escolher suas músicas online, realizar chamadas, ditar mensagens de texto, ouvir o conteúdo desses torpedos e fazer tudo aquilo que os motoristas já fazem hoje, com o celular na mão, colocando em risco a segurança.

Para tirar proveito de tudo isso, será preciso fazer uma escolha, pois eletrônicos e automóveis têm de falar a mesma “língua”. Resta aos usuários viverem mais esse dilema tecnológico (digno da hashtag #classmediasofre) e torcer para a criação de um sistema automotivo com tecnologia flex (a Audi, por exemplo, já anunciou que vai integrar as principais funções das duas plataformas no sistema Multi Media Interface).


Estudo comprova o que você sabe: bicho adora destruir fios de eletrônicos
Comentários 3

Juliana Carpanez

Pela imagem divulgada no estudo, fios de eletrônicos atraem até aves exóticas

Pela imagem divulgada no estudo, fios de eletrônicos atraem até aves exóticas =D

Um estudo divulgado pela seguradora norte-americana SquareTrade traz dados relevantes para quem tem animal de estimação (essas informações podem ser jogadas na cara – ou no focinho – dos pets, sempre que o dono achar conveniente). O levantamento aponta que, nos Estados Unidos, os bichinhos já destruíram os eletrônicos de 28 milhões de pessoas.

Como os habitantes de lá chegam a 318,9 milhões, os pets que curtem tecnologia (no mau sentido) teriam vitimado 8,8% da população dos EUA (mas lembre-se: nem todos têm um bicho de estimação). Essa proporção calculada pelo Gigablog não aparece na pesquisa.

Os eletrônicos favoritos dos destruidores são: fios (41%), smartphones (30%), laptops (12%) e controles de videogame (12%). Os acidentes envolvendo celulares inteligentes apresentam muitas “modalidades”: desde o aparelho ser derrubado da mesa por um bicho até animais que urinam ou vomitam sobre o telefone.

Nessa história, os principais vilões são os cachorros do sexo masculino (86%). Entre os entrevistados, 19% acreditam que seus animais destruíram um eletrônico de propósito, quando estavam bravos com o dono.

É questionável a metodologia da pesquisa – que, na prática, ouviu 1.012 donos de cães e/ou gatos. Isso porque a publicação, seguindo um conceito bem vira-lata, cita como “fontes adicionais” diversos outros levantamentos feitos em anos diferentes. Entre eles, um censo de 2006.